top of page

Tipos sanguíneos - Por que é importante conhecer o seu?



Desde que o sistema de grupos sanguíneos ABO foi descoberto no início do século XX pelo médico austríaco Karl Landsteiner, as transfusões de sangue puderam se tornar mais seguras. Em suas pesquisas, o médico observou que ao juntar o sangue de diferentes pessoas eles podiam se misturar ou não. E a este fenômeno, deu o nome de compatibilidade sanguínea.

A compatibilidade se baseia na relação entre antígeno-anticorpo


Os grupos sanguíneos são resultantes da combinação entre os antígenos que estão presentes na superfície das hemácias do sangue do doador e do receptor e podem ser classificados em 4 tipos:

  • Pessoas com sangue do tipo A, possuem antígenos A.

  • Pessoas com sangue do tipo B, possuem antígenos B.

  • Pessoas com sangue do tipo AB, possuem ambos os antígenos.

  • Pessoas com sangue do tipo O (ou tipo zero), não apresentam nenhum dos antígenos.

Mas, a sua incompatibilidade está relacionada aos anticorpos presentes no sangue. Se o indivíduo possui tipo sanguíneo A, ele possui anticorpos contra as hemácias do tipo B e vice-versa.

Indivíduos com sangue do tipo AB, podem receber todos os tipos sangue dado que não possuem anticorpos contra hemácias do tipo A nem do tipo B. Por outro lado, os indivíduos com tipo sanguíneo O possuem anticorpos contra ambas as hemácias e, por isso, só podem receber doação do mesmo tipo sanguíneo.

No entanto, após essa descoberta, alguns tipos sanguíneos continuavam incompatíveis quando o sistema ABO era respeitado.

Outro sistema de tipagem sanguíneo muito estudado é o fator Rhesus (Rh), que determina a presença ou ausência do antígeno D nas hemácias. Quando presente, o indivíduo é classificado como Rh positivo e não possui anticorpos contra este antígeno.

Em contrapartida, quando não expressa o antígeno Rh, seu sangue é classificado como Rh negativo. Embora estes indivíduos não apresentem anticorpos contra o antígeno D, podem apresentá-los quando expostos à sangues com fator Rh positivo.

Mas como funciona a compatibilidade sanguínea?


A transfusão sanguínea consiste na transferência do sangue e de seus componentes de um doador, para uma pessoa que está doente (o receptor). E geralmente são utilizadas com o objetivo de aumentar o transporte de oxigênio no sangue, restabelecer o volume sanguíneo ou corrigir problemas de coagulação.

Para que a transfusão se torne possível e mais segura, é importante conhecer o tipo sanguíneo do indivíduo. Pessoas com sangue do tipo O são consideradas doadoras universais, uma vez que elas não possuem antígenos A ou B em suas hemácias. Por outro lado, indivíduos com sangue AB são conhecidas como receptores universais, dado que possuem ambos os antígenos. Já os indivíduos com sangue do tipo A ou B, podem receber apenas o seu próprio tipo sanguíneo.

E qual a importância de se conhecer o tipo sanguíneo?


Conhecer o seu tipo de sangue ajuda a evitar a incompatibilidade entre os tipos sanguíneos que ocorrem na doença hemolítica fetal (entre a mãe e o bebê) e o distúrbio hemolítico pós-transfusional (entre receptor e doador).

Além disso, a tipagem sanguínea auxilia no diagnóstico e na prevenção de várias doenças, como alguns tipos de câncer e as doenças cardiovasculares.

Indivíduos com sangue do tipo O, por exemplo, parecem possuir menor risco de desenvolver tromboembolismo (formação de um coágulo que se desprende e cai na circulação, onde restringe o fluxo de sangue) do que pacientes com sangue do tipo A. Estes indivíduos também são mais propensos à desenvolver a doença isquêmica cardíaca e infarto do miocárdio.

Alguns pesquisadores também sugerem que o tipo sanguíneo pode desempenhar um papel relevante na Covid-19. Neste estudo, os cientistas sugerem que indivíduos com tipo sanguíneo não O e com fator Rh positivo são mais propensos a desenvolver a doença. No entanto, mais pesquisas devem ser feitas para compreender melhor a relação entre o tipo sanguíneo e as doenças.

Lembrete: Somente realize exames e testes após avaliação e indicação médica.


Nós, do Laboratório Biocenter, assumimos o compromisso de trazer informações relevantes e atuais para você. Estamos prontos para lhe atender e garantir os melhores resultados em exames laboratoriais.


Referências científicas:

Li H. Y, Guo K (2022). Blood group testing. Frontiers in Medicine.

Lymperaki E, Stalika E, Tzavelas G, Tormpantoni E, Samara D, Vagdatli E, Tsamesidis I (2022). The clinical utility of ABO and RHD systems as potential indicators of health status, a preliminary study in Greek population. Clinics and Practice.

Zietz M, Zucker J, Tatonetti N. P (2020). Associations between blood type and Covid-19 infection, intubation, and death. Nature Communications.


9.332 visualizações
bottom of page