Complicações da Covid-19 - Como a doença pode afetar a saúde das gestantes e dos bebês



As mulheres grávidas são mais susceptíveis de desenvolverem complicações da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS) e da Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS), que são causadas por variantes do coronavírus, assim como a COVID-19.


Por isso, quando a pandemia da COVID-19 começou, as gestantes foram consideradas um dos grupos vulneráveis e recomendou-se que tomassem cuidados adicionais para evitar a sua contaminação, assim como dos profissionais da saúde.


E, até então, pouco se sabia dos riscos que as mulheres grávidas poderiam apresentar se fossem infectadas pelo SARS-CoV-2 durante a gestação e como isso poderia influenciar no desenvolvimento do bebê.


Antes precisamos falar da COVID-19


A COVID-19 é uma infecção viral causada pelo vírus SARS-CoV-2, que pode ser transmitido através de gotículas respiratórias, o contato com outras pessoas infectadas ou pela geração de aerossóis.


Ao entrar no nosso organismo, o vírus se liga a receptores celulares da enzima conversora de angiotensina (ACE2). Além disso, sua entrada é facilitada pela presença de outra enzima, uma serinoprotease transmembrana, que permite a síntese de proteínas virais. Esse processo faz com que o nosso organismo produza substâncias pró-inflamatórias que prejudicam a integridade do pulmão e podem levar à falência múltiplas de órgãos.


Uma das principais complicações da COVID-19 diz respeito ao aumento do risco de desenvolver tromboembolismo venoso, que ocorre quando um coágulo se forma em uma veia profunda e é transportado pela corrente sanguínea até os pulmões. Esta condição, assim como a gravidez, ativa as vias de coagulação e levam ao aumento da produção de trombina, plasmina e outros fatores que fazem parte dessa via.


Complicações da COVID-19 na gestação


Durante a gestação ocorrem adaptações significativas do sistema vascular da mãe que são críticas para o desenvolvimento do bebê, como: aumento do volume sanguíneo, da frequência cardíaca e do débito cardíaco além da diminuição da resistência vascular. Essas alterações podem contribuir para dilatação dos vasos pulmonares.


A gestante pode desenvolver pré-eclâmpsia entre o segundo e o terceiro trimestre da gravidez. Esta condição leva ao desenvolvimento de hipertensão, proteinúria (excesso de proteínas na urina), edema das mãos ou da face. Em seu estágio avançado (eclampsia), coloca em risco a vida da mãe e do bebê. Estas condições estão relacionadas com a diminuição insuficiente da resistência vascular que ocorre durante a gestação.


O comprometimento dessas funções (coagulação e endotelial) no desenvolvimento e na progressão da COVID-19 fazem com que as gestantes sejam consideradas um grupo de risco para a doença.


Nesse sentido, pesquisadores suecos analisaram mais de 40 mil mulheres que foram acompanhadas desde a pré-concepção até o nascimento do bebê e destas, cerca de 3% das mulheres testaram positivo em algum momento da gestação. O diagnóstico positivo de COVID-19 estava relacionado a maior necessidade de um parto prematuro, assim como ao desenvolvimento de morbidades graves como a síndrome da angústia respiratória aguda, sepse, pré-eclâmpsia ou eclampsia.


O monitoramento dessas mulheres também é essencial para evitar o prejuízo do neurodesenvolvimento e problemas cardiometabólicos decorrentes das complicações maternas da COVID-19.


Além disso, 23% das gestantes infectadas com SARS-CoV-2 necessitaram de hospitalização e destas, 25% também precisou de suporte respiratório. Este grupo era formado principalmente por mulheres asiáticas ou negras que apresentavam o diagnóstico de diabetes pré-gestacional.


Ao considerar a quantidade de pessoas infectadas pela COVID-19, o surgimento de novas variantes, que muitas gestantes e/ou tentantes ainda não foram vacinadas e a ocorrência de complicações reforçam a importância de estudos que identifiquem um esquema vacinal adequado para estas mulheres. Estas pesquisas também podem auxiliar e orientar os profissionais de saúde em relação aos cuidados necessários tanto para a mãe como o bebê em caso de diagnóstico positivo da doença.


Lembrete: Somente realize exames e testes e utilize medicamentos após avaliação e indicação médica.


Nós, do Laboratório Biocenter, assumimos o compromisso de trazer informações relevantes e atuais para você. Estamos prontos para lhe atender e garantir os melhores resultados em exames laboratoriais.

Referências:


Wastnedge, E. A. N, Reynolds R. M, van Boeckel S. R (2021). Pregnancy and Covid-19. Physiological Reviews.


Ferrara A, Hedderson M. M, Zhu Y et al (2022). Perinatal complications in individuals in California with or without SARS-CoV-2 infection during pregnancy. JAMA Internal Medicine.


59 visualizações