Importância da prevenção e diagnóstico precoce



Ano novo é sinônimo de renovação, de iniciar novos ciclos e de transformar velhos hábitos. E isso vai diretamente de encontro a ações que visem melhorar os cuidados com a sua saúde.


Mas saiba que apenas cultivar uma vida saudável, com uma alimentação adequada e prática de exercícios físicos regulares pode não ser suficiente. Outro fator fundamental deve ser adicionado nessa equação: a importância da detecção precoce para diversas doenças.


Detecção Precoce


A detecção precoce é um termo definido pela OMS para englobar ações que envolvam o diagnóstico precoce e o rastreamento de doenças. O diagnóstico precoce pode ser aplicado a pessoas que apresentem sinais e sintomas iniciais e que sejam característicos de determinadas patologias.


Por outro lado, o rastreamento refere-se à análise por meio de exames e testes de uma população tida como saudável e assintomática. Esses são os conhecidos exames preventivos, como para alguns tipos de câncer, por exemplo. No caso destes testes de rastreamento, a OMS preconiza que os mesmos devam ser seguros, relativamente baratos e de fácil aceitação pela população, ter sensibilidade e especificidade comprovadas, além de relação custo-efetividade favorável.


A prevenção é o melhor remédio!


A frase parece clichê, mas retrata uma realidade incontestável: realizar exames preventivos é fundamental para a detecção de futuros problemas de saúde.


E talvez um dos exemplos mais claros para ilustrar essa afirmativa seja o câncer de colo de útero. Essa é uma doença com alta prevalência entre as mulheres e que, comprovadamente, pode ter sua incidência e mortalidade reduzidas por meio de exames preventivos.


Para o câncer de colo de útero o exame preventivo mais utilizado é o papanicolau. O papanicolau é um exame desenvolvido para a identificação, com o auxílio de um microscópio, de células neoplásicas malignas ou pré-malignas que antecedem o surgimento do câncer no colo uterino. Este exame é indicado para mulheres a partir do início da vida sexual e deve ser realizado anualmente. Estima-se que com a adoção desse exame seja possível reduzir, em média, de 60 a 90% a incidência do câncer cervical invasivo.


Para os homens, o exemplo mais conhecido é o câncer de próstata, que atinge cerca de 30% da população masculina no Brasil. O clássico exame de toque retal constitui o principal método preventivo desse tipo de câncer e deve ser feito anualmente em homens após os 45 anos. Pesquisas realizadas pela Sociedade Brasileira de Urologia mostram que uma grande parcela dos homens (em torno de 70%) tem consciência da importância de realizar o preventivo periodicamente. Mas, devido a tabus ainda existentes, estima-se que apenas 32% fazem o exame regularmente.


Ainda com relação ao câncer de próstata, consultas periódicas com o urologista e a realização de outros exames de rotina, como o PSA, são fundamentais para a detecção precoce da doença. Isso porque esse tipo de câncer é silencioso e pode não apresentar sintomas inicialmente.


Não deixe para depois, procure auxílio médico e mantenha seus exames em dia!


A negligência constitui um dos fatores que mais agravam quadros clínicos que poderiam ser revertidos terapeuticamente. Isso porque a população ainda possui a tendência de “fugir” do consultório médico ao notar pequenos sinais anormais em sua saúde. Como resultado, um problema simples de se resolver pode acabar agravando, tornando-se uma doença bem mais séria.


O câncer de pele é uma doença com alta prevalência na população brasileira e que, na maioria das vezes, pode ter tratamento relativamente simples e com alta taxa de cura se detectado precocemente. No entanto, o grande problema é quando esse tipo de câncer, especialmente se for do tipo melanoma, é diagnosticado de forma tardia. Nesses casos, a doença pode se agravar e produzir metástases, ou seja, se espalhando para outros lugares do corpo, elevando a taxa de mortalidade consideravelmente e piorando o prognóstico do paciente.


E isso vale para qualquer doença! Realizar exames de rotina pode evitar agravamentos de doenças pré-existentes, assim como pode identificar problemas futuros. Dosagens da glicemia de jejum (quantidade de açúcar no sangue), por exemplo, podem ajudar a identificar quadro de pré-diabetes. Isso é fundamental na tomada de decisão médica quanto à conduta terapêutica para evitar o agravamento do quadro e desenvolvimento do diabetes.


Exames para dosagens de colesterol e triglicerídeos também são fortes aliados para garantir a sua saúde. Altos níveis de triglicerídeos e LDL podem ser índices que mereçam atenção, especialmente por constituir riscos de desenvolvimento de doenças cardiovasculares.


Benefícios do diagnóstico molecular na detecção precoce


Os avanços científicos dentro da área de biologia molecular foram essenciais no desenvolvimento de novas tecnologias que permitiram o diagnóstico precoce, especialmente em doenças como o câncer.

Neste contexto, os exames de painéis genéticos são bons exemplos de como a análise genética pode auxiliar na geração de resultados cada vez mais precisos e confiáveis. Os painéis genéticos são testes que conseguem detectar variações específicas no código genético associado a um maior risco de desenvolvimento de um determinado tipo de câncer, como o de próstata em homens e o de mama e colo do útero em mulheres. Por meio de metodologias, como o sequenciamento de nova geração (NGS), é possível avaliar o DNA para identificar uma gama de mutações gênicas específicas, como os genes do tipo BRCA1, BRCA2 e PALB2, que podem indicar uma maior predisposição ao desenvolvimento de câncer de próstata no paciente.


No entanto, vale ressaltar que a presença dessas variações gênicas não deve ser interpretada como uma certeza de desenvolvimento de câncer no futuro. O painel genético serve como teste de triagem e auxilia no diagnóstico precoce, mas ainda assim é necessária a realização de outros exames histopatológicos confirmatórios para fechar o diagnóstico final.


O teste pré-natal não invasivo (NIPT) é outra ferramenta muito utilizada para a detecção precoce, mas desta vez, de anormalidades genéticas que possam afetar o feto. Durante a gestação, células do feto acabam passando pela placenta para a corrente sanguínea da mãe. O NIPT é um exame genético que consegue avaliar o DNA do feto por meio destas células fetais presente no sangue da mãe. Assim, é possível analisar esse DNA em busca de possíveis alterações cromossômicas que poderiam afetar a saúde do bebê, como a Síndrome de Down.


A mensagem final é: previna-se e realize regularmente exames preventivos! Fique atento aos sinais do seu organismo e, ao menor indicativo de anormalidade, procure auxílio médico. Assim, você garante a saúde do seu corpo para encarar os desafios do ano que esta começando!


Lembrete: Somente realize exames e testes após avaliação e indicação médica.


Nós, do Laboratório Biocenter, assumimos o compromisso de deixá-los sempre bem-informados e atualizados, trazendo conteúdos relevantes e de qualidade para você.

Referências:


Cohen, P. A., Jhingran, A., Oaknin, A., & Denny, L. (2019). Cervical cancer. The Lancet.


INCA – Instituto Nacional de Câncer. Câncer do colo do útero (2021). Brasil. Disponível em: https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-do-colo-do-utero


INCA – Instituto Nacional de Câncer. Câncer de pele não melanoma (2021). Brasil. Disponível em: https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-de-pele-nao-melanoma


Nour N. M. (2009). Cervical cancer: a preventable death. Reviews in obstetrics & gynecology.


Sandhu, S., Moore, C. M., Chiong, E., Beltran, H., Bristow, R. G., & Williams, S. G. (2021). Prostate cancer. The Lancet. doi: 10.1016/s0140-6736(21)00950-8 


World Health Organization (WHO). Cancer control. Knowledge into ation. Early detection (module 3). Who guide for efective pogrammes. Switzerland: WHO, 2007.

6 visualizações